Entrar

Novos usuários

CharissaFu 17/12/2017
KeeleyMack 17/12/2017
MaddisonBo 17/12/2017
RudyEvergo 17/12/2017
PenneyChav 17/12/2017
NOTÍCIA : MCTI recebe primeiros resultados da pesquisa sobre a fosfoetanolamina
Enviado por Webmaster em 22/01/2016 08:13:31 (328 leituras)
NOTÍCIA

Celso Pansera se encontrou com pesquisadores que conduzem testes antes de lançar o portal de divulgação com todas as informações sobre os estudos com a molécula.

por Ascom do MCTI        

Publicação: 20/01/2016 | 18:14

Última modificação: 21/01/2016 | 14:14

Crédito: Ascom/MCTI



Na terça-feira (19), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, se encontrou com os pesquisadores João Batista Calixto, do Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos (CIEnP), e Eliezer Barreiro, do Laboratório de Avaliação e Síntese de Substâncias Bioativas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lassbio/UFRJ), para tratar do andamento das pesquisas com a fosfoetanolamina. Durante o encontro foram apresentados os resultados dos primeiros testes com a molécula, conduzidos pelo Lassbio. Também participou da reunião o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento da Pasta, Jailson de Andrade.

Os especialistas do Lassbio fizeram testes com a substância cedida pela Universidade de São Paulo (USP), além de seguir os passos de desenvolvimento da fosfoetanolamina com base na patente depositada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) e de sintetizar a substância pura. Nos próximos dias serão divulgados os resultados consolidados desta primeira parte da pesquisa.

Com esses elementos, em breve se inicia a fase de testes clínicos em células cancerígenas e em animais, a ser conduzida pelo CIEnP e pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da Universidade Federal do Ceará (NPDM/UFC). Esta etapa servirá para avaliar uma possível toxicidade da fosfoetanolamina para o uso humano.

"Vamos trabalhar com a análise dessas substâncias pelo CIEnP e pelo NPDM e vamos trabalhar com a parte de análise de células, usando células humanas e também animais de laboratório. Isso está dentro da nossa expectativa, de no prazo mais curto possível ter a resposta de que tenhamos, ao menos, a segurança de que ela não é tóxica para o uso humano", explicou o ministro Celso Pansera.

Lançamento

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) lançou um site sobre os estudos realizados com a fosfoetanolamina (FOS) para determinar a segurança e a eficácia da substância no tratamento do câncer. Pelo site é possível acompanhar as etapas das pesquisas desenvolvidas pelos institutos credenciados para conduzir os estudos, além dos relatórios do Grupo de Trabalho (GT) instituído pelo Ministério da Saúde, no ano passado. 

O GT foi criado a partir da ampla repercussão da distribuição da fosfoetanolamina para fins terapêuticos no tratamento do câncer pelo Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC/USP). Além do Ministério da Saúde, participam do Grupo de Trabalho representantes do MCTI, Instituto Nacional do Câncer (Inca), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pesquisadores responsáveis pelo pedido de patente da FOS no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi).

Prestação de contas

Relatório de Atividades do Grupo de Trabalho sobre a Fosfoetanolamina, publicado no site, cita o repasse de R$ 2 milhões pelo MCTI para três laboratórios credenciados financiarem as etapas iniciais das pesquisas. São eles o Centro de Inovação e Ensaios Pré-clínicos (CIEnP), de Florianópolis (SC), o Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da Universidade Federal do Ceará (NPDM/UFC) e o Laboratório de Avaliação e Síntese de Substâncias da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LASSBio/UFRJ). No total, o MCTI vai investir, em três anos, R$ 10 milhões nos estudos da fosfoetanolamina.

De acordo com o documento, os laboratórios selecionados possuem infraestrutura de "padrão internacional e estão capacitados para desenvolver pesquisas em conformidade com os critérios estabelecidos pelas principais agências regulatórias internacionais". 

Desde a criação do GT, cinco reuniões foram realizadas para discutir um plano de ação envolvendo as etapas de síntese, estudos pré-clínicos e ensaios clínicos com a FOS. Um cronograma foi definido para a conclusão de 80% dos estudos pré-clínicos em sete meses, a partir da distribuição de amostras da molécula aos laboratórios credenciados, o que ocorreu em dezembro de 2015. 

"Esses estudos serão rigorosamente desenvolvidos para fornecer dados científicos concretos acerca dasegurança e da eficácia da FOS", diz o relatório divulgado pelo GT.

O documento também esclarece que "não será atribuição do Ministério da Saúde e do MCTI participar das etapas de formulação, produção, qualidade e do desenvolvimento dos estudos clínicos para fins do registro da FOS como medicamento". 

Fonte: MCTI

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.